Últimos projetos

Utilize a ferramenta de busca abaixo para encontrar um projeto específico:

Variabilidade espacial do fósforo total e adsorvido do solo por técnicas indiretas

Autor: Luiz Rosa Campos

Orientador: Dr. José Marques Júnior

Descrição:

O estudo objetiva avaliar o potencial da Fluorescência de raios-X (EFRX), Espectroscopia de Reflectância Difusa (ERD) e Suscetibilidade Magnética (SM) na estimativa da variabilidade espacial do fósforo total (P total) e adsorvido (Pads) em solos com ampla variação mineralógica. O estudo será realizado no campo da Fazenda de Ensino, Pesquisa e Produção da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias – UNESP. Os solos são produtos do intemperismo de rochas basalto/arenito. Um total de 100 amostras de solos na camada 0 – 0.2 m, representativas das litologias e formas da paisagem, serão coletadas. A caracterização mineralógica dos principais minerais da fração argila (hematita - Hm, goethita - Gt, gibbsita - Gb e caulinita - Ct) será obtida por difração de raios-X. A estimativa do fósforo total será mensurada por Espectroscopia de Fluorescência de raios-X e o fósforo adsorvido por métodos químicos e estimados por espectroscopia de reflectância difusa e suscetibilidade magnética. Os resultados serão submetidos à análise estatística descritiva, regressão parcial dos mínimos quadrados (PLSR) e geoestatística. A técnica geoestatística permitirá descrever a distribuição espacial de P como fator covariativo da variação litológica e mineralógica da área de estudo. Em seguida, os mapas de P obtidos por cada técnica será confrontado para obtenção do mapa de erro, isto é, avaliar o quanto uma técnica subestima ou superestima o teor e a variabilidade espacial de P. Por sua vez, a dependência espacial do P aos principais minerais do solo será avaliada por semivariogramas cruzados. Espera com isso representar a variação espacial do fosforo total e adsorvido por técnicas mais simples, barata, não-destrutiva e fornecimento de resultados rápidos. Auxiliar a tomada de decisão e o gerenciamento mais assertivo das aplicações de fosfato, minimizando custo e impactos negativos ao meio ambiente.

Caráter do projeto: Iniciação Científica

Assinatura magnética do solo na identificação de áreas com diferentes potenciais de sorção de herbicida

Autor: Yves Soares Menon

Orientador: José Marques Júnior

Descrição:

A produção agrícola mundial deve crescer substancialmente nos próximos anos, por isso torna-se necessário produzir alimentos de forma sustentável visando minimizar os efeitos ambientais negativos causados, dentre outros motivos, pelo uso incorreto de herbicidas. Neste sentido, o objetivo deste projeto é avaliar o potencial da assinatura espectral na identificação de áreas com diferentes capacidades de sorção do herbicida Imazaquim. Por isso, serão coletadas 384 amostras de solo na profundidade de 0,00 - 0,25 m, em uma malha com densidade amostral de 2,5 pontos/ha, ao longo da área experimental de 908 ha. Serão determinados os teores de matéria orgânica (MO), pH, Ca, Mg, K, (H+Al) e capacidade de troca catiônica (CTC), granulometria, cálculo do coeficiente de Freundlich para sorção do herbicida Imazaquim e a suscetibilidade magnética (SM). Os dados serão submetidos à estatística descritiva. Também será realizada análise de correlação de Pearson entre os atributos estudados e construído modelo de regressão entre a SM e o coeficiente de sorção do herbicida. Serão calculadas as médias de cada atributo conforme as classes de solo e conforme as classes de assinatura magnética da área experimental. A fim de verificar diferença estatística entre os valores médios dos atributos do solo. A análise da dependência espacial dos dados será feita por meio da geoestatística, utilizando-se variogramas. Serão construídos mapas de padrão espacial. (AU)

Caráter do projeto: Iniciação Científica

Assinatura magnética do solo na avaliação do comportamento da compactação

Autor: Gustavo Silva de Sousa

Orientador: José Marques Júnior

Descrição:

Será produzido como resultado do projeto proposto curvas de compactação para solos com diferentes assinaturas magnéticas, identificando a porcentagem de umidade que condiciona a máxima compactação, A hipótese é que suscetibilidade magnética (SM), covariativa dos minerais com expressão magnética, pode indicar solos com diferentes comportamentos de compactação quando manejados a diferentes teores de umidade. Solos com maior teor de ferro total (Fe2O3) possuem maior SM e tendem a apresentar menor razão caulinita (Ct) e gibbsita (Gb) Ct(Ct+Gb), conferindo menor potencial de compactação, sendo necessária maior teor de umidade para condicionar maior compactação ou máxima densidade. O objetivo do trabalho é estudar o comportamento das curvas de compactação em solos com diferentes assinaturas magnéticas pelo ensaio de Proctor. Serão construídas curvas de compactação pelo ensaio de Proctor para os solos: Latossolo Vermelho distrófico (LVd); Latossolo Vermelho eutroférrico (LVef); Neossolo Quartzarênico órtico distrófico (RQod).Também serão avaliados a granulometria, resistência do solo a penetração e assinatura magnética em quatro profundidades (0,0-0,1 m; 0,1 - 0,2 m; 0,2 - 0,3 m; 0,3 - 0,4 m). Neste trabalho será verificado o grau de compactação do solo em seis diferentes umidades (6, 12, 18, 24, 30 e 36%) para cada tipo de solo e camada. (AU)

Caráter do projeto: Iniciação Científica

Influência da mineralogia da fração argila no comportamento das curvas de compactação do solo

Autor: Renan Radaelli dos Santos

Orientador: José Marques Júnior

Descrição:

A identificação de áreas sujeitas à compactação do solo pode ser realizada quando propõe-se curvas de compactação para solos com diferentes mineralogias, especificamente hematita, goethita, caulinita e gibbsita, identificando a porcentagem de umidade que condiciona a máxima compactação. O objetivo do trabalho é estudar o comportamento da compactação em solos com diferentes composições mineralógicas por meio do ensaio de Proctor submetido a diferentes teores de umidade. A hipótese é que a mineralogia dos solos, especialmente o teor de hematita, goethita, caulinita e gibbsita influência no comportamento da estabilidade dos agregados e das curvas de compactação. Solos cauliníticos tem maior potencial de compactação do que solos gibbsíticos, estes tendem a possuir agregados mais estáveis. Assim, para solos cauliníticos é necessário menor umidade para condicionar maior compactação ou máxima densidade. Serão construídas curvas de compactação pelo ensaio de Proctor para os solos: Latossolo Vermelho distrófico (LVd); Latossolo Vermelho eutroférrico (LVef); Neossolo Quartzarênico órtico distrófico (RQod). Também serão avaliados a granulometria, resistência do solo a penetração e composição mineralógica em quatro profundidades (0,0-0,1 m; 0,1 - 0,2 m; 0,2 - 0,3 m; 0,3 - 0,4 m). Neste trabalho será testado o grau de compactação do solo em seis diferentes umidades (6, 12, 18, 24, 30 e 36%) para cada tipo de solo e camada. (AU)

Caráter do projeto: Iniciação Científica

Assinatura espectral do solo na identificação de áreas com diferentes potenciais de sorção de herbicida

Autor: Bruno Barbosa Mialichi

Orientador: José Marques Júnior

Descrição:

A produção agrícola mundial deve crescer substancialmente nos próximos anos, por isso torna-se necessário produzir alimentos de forma sustentável visando minimizar os efeitos ambientais negativos causados, dentre outros motivos, pelo uso incorreto de herbicidas. Neste sentido, o objetivo deste projeto é avaliar o potencial da assinatura espectral na identificação de áreas com diferentes capacidades de sorção do herbicida Imazaquim. Por isso, serão coletadas 384 amostras de solo na profundidade de 0,00 - 0,25 m, em uma malha com densidade amostral de 2,5 pontos/ha, ao longo da área experimental de 908 ha. Serão determinados os teores de matéria orgânica (MO), pH, Ca, Mg, K, (H+Al) e capacidade de troca catiônica (CTC), granulometria, cálculo do coeficiente de Freundlich para sorção do herbicida Imazaquim e a Espectroscopia de Reflectância Difusa (ERD). Os dados serão submetidos à estatística descritiva. Também será realizada análise de correlação de Pearson entre os atributos estudados e construído modelo de regressão entre a ERD e o coeficiente de sorção do herbicida. Serão calculadas as médias de cada atributo conforme as classes de solo e conforme as classes de assinatura espectral da área experimental. A fim de verificar diferença estatística entre os valores médios dos atributos do solo. A análise da dependência espacial dos dados será feita por meio da geoestatística, utilizando-se variogramas. Serão construídos mapas de padrão espacial. (AU)

Caráter do projeto: Iniciação Científica

Oxidos de ferro da fração argila e emissão de CO2 de Latossolos sob cultivo de cana-de-açúcar

Autor: Vinicius Augusto Filha

Orientador: José Marques Júnior

Descrição:

Os óxidos de ferro são importantes indicadores pedogenéticos por terem sua formação influenciada pelas condições do ambiente e por persistirem por longo tempo no solo. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho é investigar as relações existentes entre os óxidos de ferro da fração argila e emissão de CO2 de Latossolos sob cultivo de cana-de-açúcar, no sistema de colheita mecanizada no estado de São Paulo. Uma malha na área de aproximadamente 90 ha será delimitada e georreferenciada para avaliar a variabilidade espacial da emissão de CO2 e dos atributos do solo. Amostras de solo serão coletadas a cada 150 m, na profundidade de 0,00-0,25 m, resultando num total de 60 pontos. As leituras da FCO2 serão realizadas com dois sistemas portáteis LI-COR (LI-8100), durante o período inicial de crescimento da cultura. Os valores de reflectância serão determinados com um espectrofotômetro Lambda 950 UV/VIS/NIR equipado com esfera integradora, a cada 0,5 nm, fazendo uma varredura no intervalo de 380 a 2500 nm. Os dados serão submetidos à estatística descritiva calculando-se a média, desvio padrão, máximo, mínimo e coeficiente de variação. Serão construídos modelos de regressão linear e de validação externa entre os óxidos de ferro da fração argila e os dados de emissão CO2 do solo. (AU)

Caráter do projeto: Iniciação Científica

Mapeamento de áreas específicas de manejo utilizando os óxidos de ferro da fração argila em Latossolos sob cultivo de cana-de-açúcar.

Autor: Livia Arantes Camargo

Orientador: José Marques Júnior

Descrição:

Com o presente projeto pretende-se: a) a avaliação do potencial do uso de técnicas indiretas (espectroscopia de reflectância difusa, suscetibilidade magnética e fluorescência de raios-x) na caracterização dos óxidos de ferro, atributos físicos, químicos e dos fatores de erosão do solo; b) o mapeamento de áreas específicas de manejo em áreas comerciais a partir de funções de pedotransferências utilizando óxidos de ferro; c) a avaliação da acurácia de mapas dos atributos do solo gerados pelas funções de pedotransferências utilizando os óxidos de ferro. Serão estudadas duas áreas sendo uma de 500 e a outra de 1000 hectares. Em cada área será delimitada uma transeção e uma malha amostral. Serão realizadas análises mineralógicas, químicas, granulométricas, estimativa de erosão, espectroscopia de reflectância difusa, suscetibilidade magnética e de espectrometria de fluorescência de raios-x. Todos os atributos serão submetidos às análises estatísticas e geoestatísticas para a avaliação da dependência e variabilidade espacial e de regressões múltiplas. Funções de pedotransferência serão calibradas e validadas para predição dos atributos do solo utilizando principalmente os óxidos de ferro como preditores. Mapas utilizando os valores dos atributos do solo preditos nas duas áreas serão construídos e validados quanto à acurácia. (AU)

Caráter do projeto: Pós-Doutorado

Caracterização dos óxidos de ferro da fração argila de terras pretas arqueológicas da região sul do amazônas.

Autor: Ana Beatriz Coelho Franca

Orientador: José Marques Júnior

Descrição:

Terras Pretas Arqueológicas (TPA) tem alto conteúdo de carbono, porém a razão para tal equilíbrio ainda é incerta. A caracterização e relação dos óxidos de ferro da fração argila desses solos com o teor de matéria orgânica pode auxiliar na construção de cenários futuros sobre as mudanças climáticas, dando informações que subsidiem a tomada de decisões estratégias de mitigação e adaptação. O presente trabalho tem como objetivo caracterizar os óxidos de ferro da fração argila em Terras Pretas Arqueológicas da região sul do estado do Amazônas. Serão abertas 8 trincheiras em TPA de diferentes locais da região sul do estado do Amazônas. Estas trincheiras serão descritas, e as amostras serão encaminhadas para o laboratório para serem submetidas à análise química e difração de raios x (DRX). Os resultados serão analisados com base na literatura atual e poderão auxiliar no entendimento das relações entre o carbono orgânico e os óxidos de ferro nestas Terras Arqueológicas. (AU)

Caráter do projeto: Iniciação Científica

Identificação dos óxidos de ferro da fração argila de latossolos por técnicas de difração de raios x e espectroscopia de reflectância difusa

Autor: Adrien Dorvalino Ferroni

Orientador: José Marques Júnior

Descrição:

Os objetivos do presente trabalho são: a) Identificar os óxidos de ferro da fração argila de Latossolos utilizando técnicas de difração de Raios X e Reflectância Difusa. Em uma área de 300 hectares será delimitada uma transeção de aproximadamente 2.500 metros e uma malha amostral. Ao longo da transeção, num intervalo de 30 metros, serão localizados pontos amostrais num total de 83 pontos. Na malha amostral, abrangendo toda a área, os pontos amostrais serão localizados um a cada três hectares totalizando aproximadamente 100 pontos amostrais. A malha amostral será localizada de modo que a transeção ocupe sua posição central. Serão coletadas amostras na transeção nas profundidades 0,00-0,25 e 0,25-0,50 m para a realização das análises de mineralogicas da fração argila (óxidos de ferro) e de espectroscopia de reflectância difusa e na malha amostral de 300 hectares, na profundidade de 0,00-0,25 m, serão coletados solos para a realização da análise de espectroscopia de reflectância difusa e em alguns pontos serão realizadas as análises mineralógicas. As análises mineralogicas serão realizadas por meio da difração de raios-x e os teores de goethita e hematita obtidos por esta metodologia serão comparados aos obtidos pela espectroscopia de reflectância difusa. Todos os atributos serão submetidos às análises estatísticas e geoestatísticas para a avaliação da dependência e variabilidade espacial. (AU)

Caráter do projeto: Iniciação Científica

Espectroscopia de reflectância difusa e suscetibilidade magnética na predição e mapeamento dos atributos do solo em diferentes compartimentos da paisagem.

Autor: Angélica Santos Rabelo de Souza Bahía

Orientador: José Marques Júnior

Descrição:

Com o presente projeto pretende-se: a) avaliar o potencial do uso de técnicas indiretas (espectroscopia de reflectância difusa e suscetibilidade magnética) na predição dos óxidos de ferro hematita e goethita, atributos físicos e químicos do solo em diferentes superfícies geomórficas; b) mapear zonas específicas de manejo em áreas comerciais de cana-de-açúcar, a partir de funções de pedotransferência utilizando os óxidos de ferro; c) utilizar a espectroscopia de reflectância difusa no estudo da quantificação e variabilidade espacial do carbono e da emissão de CO2 do solo em áreas de cana-de-açúcar no sistema de plantio direto. Será amostrada uma área de aproximadamente 1000 hectares localizada no nordeste do Estado de São Paulo, no Município de Guatapará. Será delimitada uma transeção e uma malha amostral. Para o estudo da emissão de CO2 e do carbono do solo será utilizado uma área de 90 ha com cultivo de cana-de-açúcar manejada com palha. Serão realizadas análises físicas, químicas e mineralógicas. Os métodos indiretos que serão utilizados são: espectroscopia de reflectância difusa (ERD) e suscetibilidade magnética (SM). Todos os dados serão submetidos à análise estatística clássica e geoestatística. A análise geoestatística será realizada a partir do cálculo da semivariância em função da distância de separação (semivariograma experimental). A estimativa dos valores das propriedades em locais não amostrados será realizada pela técnica de krigagem ordinária. A estrutura multivariada do conjunto original dos dados será avaliada pela análise de componentes principais. Funções de pedotransferência serão calibradas e validadas para predição dos atributos do solo utilizando principalmente os óxidos de ferro como preditores. Mapas utilizando os valores dos atributos do solo preditos nas áreas serão construídos e validados quanto à acurácia. (AU)

Caráter do projeto: Doutorado

Caracterização da caulinita e gibbsita dos solos no Planalto Ocidental Paulista

Autor: Kathleen Lourenço Fernandes

Orientador: José Marques Júnior

Descrição:

O Planalto Ocidental Paulista é uma das principais áreas de cultivo de citros do país, representando cerca de 80% da produção nacional, tendo ainda participação na produção de açúcar e álcool. A caracterização e quantificação mineralógica dos solos desta região torna-se importante para melhor entendimento dos processos pedogênicos do solo e utilização de melhores práticas de manejo. Por meio de ferramentas como a geoestatística é possível entender a relação entre a mineralogia do solo e paisagem, indicando a variabilidade espacial dos dados e a dependência entre os atributos pedogênicos e os geomórficos da região. Assim, com o presente projeto pretende-se: a) caracterizar e quantificar os minerais caulinita e gibbsita por meio de práticas indiretas; b) avaliar a variabilidade espacial destes minerais com o mapa geomorfométrico; e c) avaliar a relação destes minerais com a estabilidade de agregados no Planalto Ocidental Paulista. Serão coletadas amostras de solo georreferenciadas para quantificação dos minerais caulinita e gibbsita e de seus dados cristalográficos. As amostras serão analisadas por difratometria de raios-X, análise termodiferencial, espectroscopia de reflectância difusa e fluorescência de raios-X. Posteriormente, será realizado o estudo da variabilidade espacial dos atributos mineralógicos, relacionando os dados mineralógicos com o mapa geomorfométrico, por meio de análise estatística e geoestatística, e com a estabilidade dos agregados. Espera-se que os resultados permitam indicar uma metodologia indireta e prática para quantificação e caracterização dos minerais caulinita e gibbsita, a fim de compreender os processos pedogenéticos dos solos do Planalto Ocidental Paulista. (AU)

Caráter do projeto: Mestrado

Predição da resistência do solo à penetração por meio da geoestatística e lógica fuzzy no contexto da relação solo-paisagem.

Autor: Frederico Luiz Siansi

Orientador: José Marques Júnior

Descrição:

A variabilidade espacial da resistência do solo à penetração (RP) está intimamente ligada ao potencial de compactação do solo e tal identificação é fundamental para adoção das melhores práticas de manejo visando produtividade com o mínimo de impacto ambiental. O objetivo desta proposta de bolsa de IC é avaliar o potencial da lógica fuzzy e geoestatística em identificar áreas sujeitas a compactação do solo no contexto da relação solo-paisagem. A presente proposta de bolsa IC é uma prolongação do relatório final de bolsa IC processo número 2010/14808-1 de janeiro a dezembro de 2011 e, dessa forma, as prévias análises auxiliaram no desenvolvimento do projeto. Em uma área de 165,4 ha no município de Guariba foram amostrados 349 pontos ao longo de 3 compartimentos identificados segundo o modelo de paisagem de superfícies geomórficas (SG) e analisados a estatística descritiva e a geoestatística da densidade do solo, volume total de poros (VTP), microporos, macroporos, resistência do solo à penetração e suscetibilidade magnética (SM) do solo na camada de 0,00 a 0,20m. Serão avaliadas as relações estatística e espacial desses atributos para a montagem de uma base de regras com o intuito de desenvolver modelos matemáticos que predizem os valores da resistência do solo à penetração. Serão construídos gráficos de dispersão e analisado a geoestatística dos valores da resistência do solo à penetração gerados em penetrômetro e àqueles preditos pela lógica fuzzy. Com base no mapeamento da resistência do solo à penetração construído pelos valores do penetrógrafo de bancada (proposta de mapeamento 1), serão propostos métodos de mapeamento pelos pontos que estimam a resistência do solo à penetração por meio da lógica fuzzy nos valores dos pontos coletados em campo (proposta de mapeamento 2) e com os valores dos pontos coletados em campo e dos interpolados pelo método da cokrigagem ordinária após a construção de variogramas nos locais não medidos em campo (proposta de mapeamento 3). (AU)

Caráter do projeto: Iniciação Científica

Mapeamento de áreas específicas de manejo utilizando técnicas indiretas em latossolos sob cultivo de cana-de-açúcar

Autor: José Marques Júnior

Orientador: José Marques Júnior

Descrição:

Com o presente projeto pretende-se: a) a avaliação do potencial do uso de técnicas indiretas (espectroscopia de reflectância difusa, suscetibilidade magnética e fluorescência de raios-x) na caracterização dos atributos físicos, químicos e mineralógicos do solo; b) o mapeamento de áreas específicas de manejo em área comercial a partir de funções de pedotransferências; c) a avaliação da acurácia de mapas dos atributos do solo gerados pelas funções de pedotransferências. Em uma área de 500 hectares será delimitada uma transeção e definida uma malha amostral. Serão realizadas análises mineralógicas, químicas, granulométricas, espectroscopia de reflectância difusa, suscetibilidade magnética e de espectrometria de fluorescência de raios-x. Todos os atributos serão submetidos às análises estatísticas e geoestatísticas para a avaliação da dependência e variabilidade espacial e de regressões múltiplas. Funções de pedotransferência serão calibradas e validadas para predição dos atributos do solo utilizando principalmente os óxidos de ferro como preditores. Mapas utilizando os valores dos atributos do solo preditos nas duas áreas serão construídos e validados quanto à acurácia. (AU)

Caráter do projeto: Auxílio Pesquisa

Caracterização de caulinita e gibbsita de latossolo sob cultivo de cana-de-açúcar

Autor: Renata Alves Horvat

Orientador: José Marques Júnior

Descrição:

Processo n. 2005/03972-7 Neste trabalho um segmento de vertente foi identificado e delineado numa área de latossolo vermelho eutroférrico, sob cana-de-açúcar. Foi caracterizada a cristalografia dos minerais de caulinita e gibbsita da fração argila, determinou-se os teores e grau de cristalinidade que são atributos reflexos do ambiente pedogenético. Os solos foram amostrados nos pontos de cruzamento de uma malha georeferenciada com intervalos regulares de 10 m, com dimensão de 100 x 100 m, totalizando 100 pontos, em uma área de 1 ha. As amostras de solos (0,20-0,40 m) foram coletadas e após analise em laboratório foram submetidas à difração de raios-X. Os resultados foram submetidos às análises de estatística descritivas bem como geoestatísticas. Foram produzidos os mapas de krigagem dos parâmetros analisados. Conclusão: 1. A variabilidade dos atributos estudados medida pelo coeficiente de variação foi baixa para LMA dos dois minerais, média para área do pico da Gb, DMC da Ct e relação Ct/(Ct+Gb), e alta para os demais atributos; 2. Os atributos área do pico e DMC da Ct apresentaram dependência espacial forte, enquanto os demais atributos expressaram uma dependência espacial moderada; 3. Os maiores alcances foram observados para os atributos área do pico da Gb e relação Ct/(Ct+Gb; 4. A geoestatísta foi uma excelente ferramenta de apoio no que se refere a uma análise mais detalhada da área em estudo, permitindo o mapeamento dos atributos mineralógicos em questão; 5. A identificação de compartimentos com base na forma do relevo na área de estudo mostrou-se importante para a compreensão da variação dos teores dos atributos mineralógicos estudados, principalmente para o grau de cristalinidade da gibbsita, que se mostrou mais expressivo no compartimento II, demonstrando a importância do relevo nesse tipo de estudo; 6. Caulinita e gibbsita destes latossolos possuem dependência espacial, e as pequenas variações do gradiente do relevo influenciam o comportamento destes minerais. Portanto, o relevo pode ser utilizado como indicador de ambientes específicos de formação de minerais da fração argila dos latossolos.

Caráter do projeto: Iniciação Científica

Relações espaciais entre caulinita e gibbsita e a estabilidade dos agregados de latossolo

Autor: Lucas Aguilar Cortez

Orientador: José Marques Júnior

Descrição:

Processo n. 2007/04688-6 Os atributos físicos do solo estão ligados à mineralogia da fração argila de latossolos, cuja formação e o grau de cristalinidade são coordenados pelos processos da vertente. Este trabalho tem como objetivo avaliar a influência da caulinita e gibbsita na estabilidade dos agregados de Latossolo com pequena variação nas formas do relevo, utilizando técnicas da geoestatística. Os solos serão amostrados nos pontos de cruzamento de uma malha, com intervalos regulares de 10 m, na profundidade de 0,00-0,20 m para os atributos físicos e mineralógicos, totalizando 121 pontos. As amostras serão submetidas às análises de laboratório para extração dos óxidos de ferro, e as amostras serão submetidas à DRX. Posteriormente os dados serão submetidos à estatística descritiva. A análise da dependência espacial será feita por meio da geoestatística, utilizando-se o semivariograma. Valores interpolados através de Krigagem serão usados, juntamente com os valores medidos, para construção de mapas dos atributos estudados.

Caráter do projeto: Iniciação Científica